Resultado: Promoção Mini-Contos de Terror


Primeiramente, gostaria de agradecer a todos os que participaram!

Essa promoção começou como uma brincadeira na comunidade Terror, Fantástico e Gótico no Orkut e se tornou um mini concurso. Gostei bastante de ler os trabalhos enviados, e também da diversidade de temas e formatos. Queria agradecer especialmente ao dono da comunidade, o Márcio, que me apoiou com essa idéia.

Bom, vamos ao que interessa!

Classificação:

1. Pronta para partir – Lucas Rezc

2. Diversões – Fabio da Silva Barbosa

3. O Inesperado – Dalton Menezes

Parabéns aos selecionados e a todos os que participaram!

Contos:

Pronta para partir

Por: Lucas Rezc

Era madrugada. A luz da lua era o que restava em minha humilde e interiorana moradia, após a tempestade que caíra a tarde toda, levando consigo todos os cabos de eletricidade. Afonso, meu marido, roncava ao meu lado, enquanto eu não conseguia pregar os olhos, preocupada com a vida. A porta estava entreaberta, para o caso de meus netos precisarem de algo.

Mal pensei nisso, e, pelo mesmo vão, pude ver algo cruzar, silenciosamente, o corredor. Era horrível. Grande, comprida, felpuda, várias cores ao mesmo tempo. Não tinha a forma parecida com nada que eu já vira.

Rezei. Chacoalhei meu marido. Ele resmungou qualquer coisa e voltei para o meu terço.

Então, mal acabara de passar a primeira criatura, surge uma segunda, agora iluminada. Só o que vi foi a brancura de sua silhueta, antes de fechar os olhos, tremendo.

Ouço passos. Leves, como um anjo. Deve ser. Deve ser um anjo, eu penso. Um anjo que veio acompanhar a morte e me buscar. Estou pronta, tento acreditar. Eis que, a doce voz do anjo, chega aos meus ouvidos, esclarecedora:

– Vó, o Marco tá sonâmbulo de novo. E ele roubou meu cobertor e travesseiro. Peguei a vela na cozinha, pra senhora poder partir atrás dele.

Diversões

Por: Fabio da Silva Barbosa

Acordou ainda zonzo. Tentou levantar a cabeça, mas o pescoço estava preso. Tentou mexer os braços, mas também estavam presos. Não sentia as pernas, apenas uma leve dor nos membros inferiores. Os olhos foram se acostumando a escuridão e no teto pode avistar várias pernas penduradas por ganchos de açougue. Ouviu uma gargalhada estridente e virou o rosto. Não poderia ser. Uma infinidade de mesas com corpos amarrados preenchiam seu campo de visão. Atrás de todas elas, um ser banhado em sangue sorria e pulava de uma perna só. Era o saci.

O Inesperado

Por: Dalton Menezes

“Estava escuro quando acordei.
Havia o corpo de um pecador
deitado no chão ao meu lado.

Não consegui ver o seu rosto.
Estava escuro e embaraçado,
e pessoas começaram a se aproximar.

Podia ouvi-las chorando,
falando sobre o corpo que ali repousara.

Aproximei-me, e pude ver as coisas tomando forma.
A escuridão que ali jazia, abandonara com a penetração da luz.
E pude ver que aquele corpo a qual ali permanecia… Era o meu.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: