Nova Era: Livro Digital Mostra sua Força

20/07/2010

Por: Larissa Caruso

Hoje, de acordo com a Veja Online, a Amazon anunciou que a venda de livros digitais através do Kindle superou a venda de livros impressos. Nas últimas quatro semanas, segundo a empresa, as vendas dos e-books chegaram a 180 para cada 100 exemplares impressos.

Estamos presenciando uma grande mudança no mercado literário. As pessoas começam a demonstrar que são realmente adeptas dessa nova tecnologia. Isto fornecerá ainda mais força ao mercado de aparelhos de leitura digital como o Kindle e o iPad. Além disso, teremos uma diminuição de barreiras de entrada para novos escritores, que poderão publicar seus textos online e alcançar um bom número de leitores.

Alguns podem clamar que o maior problema será distribuição ilegal da obra. Podemos ver, entretanto, que essa mentalidade já mudou bastante nos Estados Unidos. O iTunes e os dados da Amazon sobre o Kindle são prova disso. As pessoas estão dispostas a pagar por aquilo que apreciam, mas na maioria das vezes exigem que o preço esteja de acordo. E, em sua visão, é exatamente isso que essas ferramentas digitais proporcionam.

Quem realmente for piratear, o fará independente do formato ou do preço. Há anos diversas obras impressas escaneadas em PDF e publicadas na internet indevidamente. Isto dificulta, mas não impede que os autores tenham seu ganha-pão.

Não acredito que veremos a extinção dos livros impressos em um futuro próximo. Muitos preferem sentir o papel enquanto lêem ou simplesmente ainda não se adaptaram a essas “engenhocas modernas”. Ainda sim, notícias como esta mostram que os tempos estão mudando.

Agora, basta que nós, participantes desse mercado literário, também nos adaptemos. Será necessário, se quisermos ser bem sucedidos.


Lançamento: Fúria Lupina – Brasil

18/07/2010

Dia 25 de Setembro de 2010, a partir das 18:00 horas, será o lançamento de Fúria Lupina – Brasil do autor Alfer Medeiros. Este será seu primeiro romance e contará com muito terror e lobisomens.

Local: Bardo Batata – Rua Bela Cintra, 1333 – São Paulo

Sinopse:

A natureza lupina liberta. A natureza humana destrói.

Qual é a origem do mito do lobisomem? Maldição, doença, dom, herança ou eventos aleatórios? Ou será que todas essas hipóteses são aplicáveis?

Em Fúria Lupina – Brasil, as peças do quebra-cabeça são apresentadas no decorrer de algumas décadas. Quando, no ano de 2009, essas peças começam a se encaixar para formar a imagem final, homens e feras aparentemente desconexos entram em uma alucinada rota de colisão, que resultará em sangue, violência e morte.

Uma organização secreta, um grupo ecoterrorista, mercenários, lobisomens com variações de raça e conflitos de natureza humana permeiam toda a trama, que passa por Estados Unidos, México, Noruega, São Paulo e Mato Grosso, finalmente desembarcando na Amazônia brasileira, onde muitos destinos serão traçados.

Você está pronto para descobrir qual é o maior predador do planeta?

Sobre o Autor:

Alfer Medeiros é o pseudônimo de Alexandre J. F. Medeiros, português radicado em São Paulo desde a infância. Apreciador de expressões culturais como literatura, música, cinema e quadrinhos. Analista de sistemas e professor universitário por profissão. Escritor por paixão. Participará da Antologia UFO – Contos Não Identificados da Editora Literata.

Twitter: @alfermedeiros

Comunidade no Orkut: http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=103471757

Link do livro no Skoob: http://www.skoob.com.br/livro/111800


Lançamento: Cyber Brasiliana de Richard Diegues

16/07/2010

Cyber Brasiliana, o novo romance sci-fi de Richard Diegues será lançado pela Tarja Editorial dia 22 de Julho a partir das 19 horas na Saraiva MegaStore do Shopping Pátio Paulista.

Vejam o release no site da Tarja: http://tarjaeditorial.com.br/tarja/?p=167

Leiam um trecho da obra: http://www.tarjaeditorial.com.br/tarja/amostras/Cyber_Amostra.pdf

Sobre o autor:

Richard Dieguesé escritor, editor e consultor tecnológico. Atualmente mora na cidade de São Paulo. Autor dos livros: Magia – Tomo I (1997), Sob a Luz do Abajur (2007)Tempos de AlgóriA (2010). Também é organizador e coautor dos livros Necrópole – Histórias de Vampiros (2005), Visões de São Paulo (2006), Necrópole – Histórias de Fantasmas (2006), Histórias do Tarô (2007), Necrópole – Histórias de Bruxaria (2007), de quatro volumes daColeção Paradigmas (2009/2010), além de co-autor dos livros Portal Fundação (2009), Livro Vermelho dos Vampiros (2009), Imaginários 1 (2009) e Cyberpunk – Histórias de Um Futuro Extraordinário (2010). Colaborou com diversos jornais, revistas e sites da Internet, além de participar ativamente de eventos na área de Literatura Fantástica.

Twitter do autor: @richarddiegues

Livro no skoob: http://www.skoob.com.br/livro/115329

Alguns locais onde comprar:

Livraria Cultura (com desconto no programa +Cultura)

Livraria Saraiva

Livraria Siciliano

Tarja Livros


Lançamento: Tratado Secreto de Magia

15/07/2010

Dia 07 de Agosto, 2010 a partir das 15 horas, a Editora Andross lançará a antologia Tratado Secreto de Magia, organizado pela grande autora Helena Gomes. Serão diversos autores exibindo contos incríveis que possuem como tema a bruxaria, a feitiçaria e outros relacionados.

Estarei participando com o conto “A última chama” que narra a história de uma bruxa que invoca um elemental do fogo para livrar-se de seus inimigos. Abaixo, uma pequena degustação:

Minhas mãos acariciam as cinzas espalhadas no chão enquanto meus lábios balbuciam palavras de arrependimento e tristeza. A terra seca e sem vida mescla-se com os resquícios daquilo que um dia fora a única luz presente em um caminho sombrio e perdido. Lágrimas libertam a dor que se aloja dentro do meu peito. Pela primeira vez, minha mente e coração palpitam de forma conjunta, culpando-me por uma vida marcada pelo egoísmo e a inconsequência. Esta foi minha punição…

O lançamento acontecerá na Biblioteca Viriato Correa, na Vila Mariana em São Paulo. Além do coquetel  de lançamento, teremos também uma ótima adaptação teatral de contos do livro que sera representada pela Cia. Em Cena Ser.


Extraneus – Volume 1 – Medieval Sci-fi Lista de Selecionados

15/07/2010

Hoje saiu o resultado da seleção do concurso Estronho e Esquésito para a Coleção Extraneus – Volume 1 – Medieval Sci-fi.

Foram 58 contos enviados para este volume, e somente 7 seriam publicados.

Tenho a honra de informar que meu conto “A Ameaça Dracônica” foi escolhido para ser publicado!

Gostaria de parabenizar não só os selecionados, mas também a todos os que participaram! E para quem ainda não enviou seu conto, tem só mais 2 volumes, então é melhor se apressar!

Abaixo, segue a lista dos autores convidados + os selecionados (e seus contos):

Selecionados:

  • Cirilo S. Lemos – Dez lampejos do mulçumano de ferro
  • Cláudia Zippin Ferri – A Peste
  • Davi M. Gonzales – Mensagem a Pedro, o eremita
  • Gadiego Silvestrini – A sepultura do juízo final
  • Larissa Caruso – A ameaça dracônica
  • Rebis Kramrisch – Demônio das estrelas
  • Rudá Almeida – Aparição

Convidados:

  • Ana Cristina Rodrigues
  • Gianpaolo Celli
  • Leandro Reis
  • Leonardo Pezzella
  • Renato A. Azevedo
  • Rober Pinheiro
  • Simone O. Marques

Livraria Cultura: Bate Papo sobre Literatura Fantástica

14/07/2010


Dia 17 de Julho de 2010 (sábado), a partir das 16 horas, acontecerá um bate papo na Livraria Cultura do Shopping Villa Lobos sobre a literatura fantástica e o universo sobrenatural.

Local: Av. Nações Unidas, 4777 – Shopping Villa Lobos – Livraria Cultura – Auditório.

O bate papo contará com diversas feras da literatura nacional. Segue a lista:

  1. Martha Argel (autora dos livros O Vampiro da Mata Atlântica, Relações de Sangue, Amor Vampiro, entre outros.)
  2. J. Modesto (autor dos livros Trevas, Anhangá, Amor Vampiro, entre outros.)
  3. Giulia Moon (autora dos livros Kaori: Perfume de Vampira, Amor Vampiro, entre outros.)
  4. Nelson Magrini (autor dos livros Relâmpagos de Sangue, Anjo: A Face do Mal, Os Guardiões do Tempo, Amor Vampiro)
  5. Beatriz Ongaro
  6. Cintia João
  7. Isis Müller
  8. e outros.

Conheço bem o trabalho de muitos deles e recomendo. Acredito que será um evento de ótima qualidade e os participantes terão a grande oportunidade de  conhecerem esses grandes autores.

Eu estarei lá, e vocês?


O Maníaco e a Imprensa

12/07/2010

Por: Larissa Caruso

A tensão na atmosfera do escritório era palpável. Vozes exaltadas, telefones disparados, e xingamentos constantes tornavam-se rotina na improvisada sala de investigação criminal. A melhor equipe do Departamento de Homicídios e Proteção a Pessoas de São Paulo se reunia para investigar o assassino em série que assombrava os cidadãos, e principalmente, as mulheres.

– E ai? O que descobriu, Marciel? – perguntou o delegado, impaciente.

– Nada, chefe.

E continua a busca pelo Maníaco da Praça. – anunciava o repórter na TV em um tom dramático – Há uma semana foi encontrado o corpo da estudante Luciana Medeiros. Acreditamos que se trata da décima segunda vítima do maníaco que ronda as praças desertas a procura de presas fáceis…

– Como nada, cara? – bradou o encarregado das investigações, cruzando os braços – O que eu vou falar pra esses pentelhos? – e apontou para a TV de forma brusca, classificando o principal sujeito de suas preocupações.

– O malandro não deixa pistas. Ninguém viu nada.

– Mas que inferno… esses putos – gesticulou o delegado irritado – Por que eles não arrumam mais o que fazer? Ficam de bico atrapalhando meu caso.

…e sabemos que o maníaco está a procura de mulheres belas e independentes, normalmente de cabelos escuros e encaracolados. Todas na faixa etária de 18 a 25 anos. A primeira ocorrência sempre trata de um desaparecimento. Algum tempo depois, o corpo é encontrado jogado em uma praça da cidade, com marcas de estrangulamento e resquícios de clorofórmio em sua pele.

Ao ouvir tal informação, diversos investigadores focaram sua atenção na reportagem que era narrada por um rapaz de trinta e poucos anos, de aparência carismática com seus olhos azuis e cabelos castanhos.

– Eles tão divulgando informação confidencial! – resmungou um dos policiais – Nós tínhamos um trato com eles!

… depois das oito da noite as moças devem evitar circular desacompanhadas pelas ruas.

O desgraçado vai colocar a cidade inteira em pânico! – exclamou o outro, boquiaberto.

– Talvez isso fizesse com que as mulheres fossem mais cuidadosas. – grunhiu Josivaldo e continuou, olhando para seu relógio – E olha a hora. Quem fica acordado para ver um programa desses? Ele é um Zé Ninguém, Junior. Teremos que nos preocupar quando os verdadeiros noticiários desfizerem nosso acordo.

– O que vai ser logo, já que um tomou coragem.

E a partir de amanhã iniciaremos um documentário que mostrará as “Quase Vítimas” desse maníaco. Mulheres com o mesmo perfil que escapam diariamente de suas garras e…

– Desliga essa porcaria, já! – bradou o delegado, batendo na mesa.
***

Sentado no banco do motorista, ele observava seus arredores com um olhar semi-entediado. A desertidão próxima à praça onde sua van estava estacionada o deixava alegre e ao mesmo tempo depressivo. Detestava a maneira como as mulheres novas se portavam, com independência e despreocupação. Ignoravam o fato de que um homem perigoso circulava as ruas, procurando pelas menos preparadas para fazê-las suas vitimas. Não aceitavam mais a proteção e os mimos de um cavalheiro. Ignoravam os méritos da família patriarcal.

Estavam tão focadas em serem tratadas iguais que se esqueciam que, em termos de força e malicia, encontrava-se em desvantagem. Suspirando, perguntou-se se o vazio naquele local era mera coincidência ou se o medo finalmente começava a demonstrar seus sinais na sociedade. Quando perdeu a esperança de uma boa noite de caça foi que viu uma moça de aproximadamente 1,60m de altura, com cabelos longos e encaracolados. Vestia um simples jeans e uma camiseta, que pouco mostrava as curvas de seu corpo. Apesar disso, serviria.

De maneira cuidadosa, verificou suas ferramentas de trabalho, finalizando com o cordão de nylon que se encontrava folgadamente ao redor de seu pescoço. Então, ligou a câmera apoiada no painel do carro. Quando se certificou que estava gravando, bateu no ombro de seu companheiro, que mal se mexeu no banco de passageiro.

– Ao trabalho. – murmurou, saindo do carro.

Aproximou-se da moça com cautela. Antes que pudesse surpreendê-la, ela se virou, deparando-se com ele. Sobressaltada, deu um pulo. Imediatamente ele a acalmou, dizendo:

– Desculpe. Não quis assustá-la.

Ainda desconfiada, a mulher deu um passo para trás, estreitando os olhos enquanto o fitava. Sem acreditar, levou as mãos à boca e exclamou:

– Luciano Fabricio do SBT?

Por um momento, o homem ficou surpreso que ela o reconhecera. Poucos assistiam àquela porcaria que chamavam de programa investigativo.

– Sim, sou eu mesmo. – respondeu ele, sorrindo amigavelmente – Assiste o meu programa?

– Sim, depois que eu volto da faculdade.

Sentiu-se lisonjeado.

– Você é da vizinhança?

Ela balançou a cabeça negativamente.

– Você viu meu programa de ontem? – e continuou antes que respondesse – Sabia que sua aparência e o local onde se encontra correspondem ao perfil do assassino em série que a policia vem escondendo informações a respeito?

– Assassino em série? Aqui? – respondeu ela, desacreditando em suas palavras – Eu passo aqui todos os dias há anos. Nunca tive problemas.

– Pois é exatamente disso que o documentário “Quase Vítimas” irá tratar. Refletirá a noite de mulheres que poderiam ser alvo do maníaco da praça devido ao seu descuido, mas que, por sorte, não são atacadas, estupradas e mortas.

A moça inalou profundamente ao ouvir as três últimas palavras, observando seus arredores com uma pitada de medo em seu olhar. Fingindo não perceber sua reação, ele continuou com a explicação:

– Meu companheiro está com a câmera ligada. Observávamos a sua passagem e agora gostaríamos de entrevistá-la, perguntando como leva seu cotidiano apesar de existir um assassino a solta.

Apontando em direção a van, ele deixou com que ela examinasse o carro com cuidado. Mesmo parada em um lugar relativamente pouco iluminado, ainda era possível distinguir o símbolo da rede televisa para qual trabalhava pintado em ambos os lados. A luz interna, acesa, mostrava a silhueta de seu companheiro de boné sentado no banco de passageiro. A câmera, com um brilho vermelho piscante, indicava que ainda estava gravando.

Esperou até que ela se certificasse de tudo e então perguntou:

– Vamos? Precisarei que assine uma autorização para a divulgação de sua imagem, independente de aceitar que eu a entreviste ou não.

Queria deixar claro que ela possuía uma escolha. Não era seu intuito assustá-la. Ela pareceu hesitar por alguns momentos e finalmente, assentiu. Sorrindo, ele a guiou até o carro.

***

Ela arregalou os olhos ao aproximar-se da van. Sentiu seu coração parar por um breve segundo, e então acelerar, pronto para explodir. Focou a atenção no interior do carro, tentando confirmar sua desconfiança. Identificou o rosto de plástico do manequim sentado no banco de passageiro, vestindo roupas velhas e um boné. Foi então que entendeu.

Desesperada, tentou correr. O homem, entretanto, segurou seu braço. Pensou em gritar, mas antes que pudesse fazê-lo sentiu um pano branco mal cheiroso encostando-se a sua boca e nariz. O cheiro forte de produto químico a fez cambalear e as pernas enfraqueceram. A visão tornou-se turva, e o pânico a dominou. Debateu-se, tentando reencontrar sua liberdade. Sentiu os lábios do apresentador tocando a pele de seu pescoço, e um sussurro vindo de sua boca a fez tremer:

– Você achou que ser famoso era sinônimo de ser normal? Te peguei.

E sem mais forças, sua consciência sucumbiu à escuridão.